SOBRE O DETRAN – POR JOSE ANTONIO DE MORAES

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Na coluna do Sr. Luiz Tito (O Tempo, edição de 4/8, pág. 8), sob o título “Polícia Civil”, li que há incômodo de setores da instituição quanto à terceirização do processo de vistorias veiculares, “como um gargalo no Detran”, que estaria arranhando a imagem da PC, ante operações desencadeadas pelo MP/Gaeco, alicerçadas em prática de corrupção.

Há incômodo, sim. Não falo por esses “setores”, mas pela relativa experiência que adquiri no exercício dos cargos que ocupei. Corregedor-Geral de Polícia Civil, por cerca de seis anos, sugeri e apliquei penas disciplinares a policiais civis, por desvios de conduta. De certa feita, em um dos plenarinhos da Assembleia Legislativa, ousei dizer – e infelizmente tenho a certeza de que não me enganara –, que não havia, naquela época, como ainda não há, instituição a cavaleiro quanto a esses desvios. Afinal, os recrutamentos são feitos na mesma sociedade que a todos nos abriga.

Fui Diretor-Geral do DETRAN-MG (2003/2005) e ali fui procurado, mais de uma vez, por “especialista em autarquia”. Tinha-se, à época, o do Rio Grande do Sul como vitrine. Dele, pouco tempo depois, soubemos do desastre que fora. Os jornais noticiaram. Alguém se lembra?

Querem transformar o Detran de Minas em autarquia. Que o façam! Afinal, o poder é político. Respeito, mas divirjo. O argumento de que a causa é a corrupção dói – e dói muito

–, inclusive, e por ser no todo distanciado da verdade.

A causa, que o governo não quer admitir, são os cargos em comissão e de recrutamento amplo. Quem leu o projeto, está ciente de que serão criados mais de 70 cargos, aí compreendido o de direção-geral. Isso, sim, enche os olhos de quem poderá ocupá-los e, óbvio, de quem terá autoridade para mandar preenchê-los.

Está no projeto Autarquia Detran que as Ciretrans serão mantidas nas Delegacias Regionais de Polícia Civil, como mantidos, também, serão os policiais e examinadores que, na data da publicação da lei, no Detran estiverem lotados.

Ora, se a motivação é a “maçã podre”, por que mantê-la na mesma cesta? Eu, hein!

José Antonio de Moraes Delegado-Geral de Polícia – (aposentado)

Veja Também

Fale com nossa equipe.
Será um prazer atendê-lo(a)!